SINTE/RN participa de audiência na SEEC, mas Betânia Ramalho só aceita discutir dois pontos

Depois de uma espera de três meses, o SINTE/RN participou de uma audiência com a secretária estadual de Educação Betânia Ramalho. Mas apesar da demora em dialogar com a categoria a secretária ainda impôs que apenas dois pontos, dos 17 reivindicados, fossem debatidos: o terço de hora atividade e a disponibilidade dos diretores do Sindicato. Mesmo a direção do Sindicato insistindo Betânia Ramalho se recusou a conversar sobre os outros assuntos.
A reunião contou com a presença do Procurador Geral do Estado do RN Miguel Josino e um dos pontos tratados foi o pagamento e a implementação do terço de hora atividade para os profissionais de sala de aula com jornada semanal de 24 horas.
Esse ponto foi tratado sob duas perspectivas: a primeira, com a promessa da secretária em implementar esse direito até o mês de agosto. O segundo aspecto foi extremamente polêmico. O Procurador do Estado blindou Betânia Ramalho e a Governadora Rosalba, assumindo o papel de defensor do estado recorrerá para não pagar. Ele alegou absurdamente a ausência da Carta Sindical e que a Secretaria de Educação já estava tratando da implementação a quem tem direito às quatro horas de planejamento, bem como afirmando que o mérito da ação de pagamento das horas semanais trabalhadas não havia sido julgado, como se a liminar não valesse nada.
O outro ponto tratado foi a disponibilidade dos diretores do SINTE/RN. Este seria o último ponto da pauta apresentado à SEEC. Em tom autoritário, a secretária disse que cumpriria a recomendação do Ministério Público em deixar apenas três diretores em todo estado para o trabalho sindical.
A direção do Sindicato critica o posicionamento da gestora, uma vez Insiste em cumprir uma determinação para fechar as portas do SINTE/RN e se nega a cumprir a ordem do Supremo Tribunal Federal e pagar o que deve à categoria. Da mesma forma, o Procurador tomou para si a decisão e defendeu a secretária e a governadora dizendo que tinha duas outras recomendações na mesma perspectiva.
Para a direção do SINTE/RN, essas estratégias são tentativas de minimizar um sindicato que fala muito e defende muito, por isso que incomoda tanto, mas não será agora o governo impedirá a organização dos trabalhadores. 
Compartilhar no Google +

About NCF

Autor

0 comentários:

Postar um comentário

Publicidade